2 jun. 2018

Direito e Literatura no Brasil: Derecho y literatura infantil y juvenil. Novedad bibliográfica

 
 

Olivas da Aurora: direito e literatura
Josiane Rose Petry Veronese (Org.)
Alexandre Morais da Rosa (Apresentação)
Florianópolis: Editora EMais, 2018, 276 pp.
ISBN: 978-85-94142-24-5

 

Apresentação

“O senhor importa-se que eu lhe conte a história da minha vida? Há sempre um dia em que temos que contar tudo. Mesmo que depois acabemos arrependidos. Se bem que eu, não sei porquê, nunca fui de muito de arrependimentos. As minhas amigas espantam-se”, nos diz Inês Pedrosa. Demorei mais do que deveria para apresentar o livro por duas razões básicas. A primeira delas é a de que a Professora Doutora Josiane Rose Petry Veronese foi minha professora na graduação e tenho imenso respeito e admiração por sua trajetória. Foi com ela que aprendi os primeiros passos sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e, depois, como Juiz de Direito da Vara da Infância e Juventude de Joinville, Santa Catarina, pude implementar muito do que ela (e eu) defende(mos). Há, assim, um respeito reverencial pelo que me ensinou. O segundo é a riqueza do livro que segue, composto por professores das mais diversas áreas do Direito (Angela Maria Konrath, Carlos Alberto Crispim, Eduardo Rafael Petry Veronese,  Geralda Magella de Faria Rossetto, Josiane Rose Petry Veronese, Mayra Silveira, Patrícia Rodrigues de Menezes Castagna, Olga Maria Boschi Aguiar de Oliveira, Sandra Muriel Zadróski Zanette, Wanda Helena Mendes Muniz Falcão, Vanessa Kettermann Fernandes e Vivian De Gann dos Santos), com pesquisas de diversos campos, articulados pelo viés da Literatura. A Literatura, aqui, serve de metáfora para que possamos, desde a perspectiva individual, analisar os mais variados fenômenos do campo jurídico.
Desde a leitura fina de Victor Hugo, passando pela temática das mulheres em Clarissa Pinkola Estés, com pitadas de Campos de Carvalho, Kazuo Ishiguro, Jorge Amado, Manoel Barros, Aldous Huxley, Roger Mello, Angel Barcelos, Claudia Werneck, Fernando Sabino, Hugo Monteiro Ferreira, José Saramago e Umberto Eco, os textos se vinculam com a marca do impossível. São textos que em sua grande maioria trazem à tona a questão das injustiças, das dificuldades cognitivas e do egoísmo em sociedades ultracapitalistas em que a satisfação pessoal deixa de lado o aspecto coletivo e humano. Só por isso já vale a pena ler, além do que, as incursões nos propiciam parar e refletir sobre o que há e qual nossa posição subjetiva sobre o que se passa, convocando o leitor a tomar uma atitude. Depois das leituras permanecer impassível é umas das opções, cujo preço deve ser pago com responsabilidade.
Com isso chego em Fernando Pessoa, desassossegado. Folheio no lampejo da luz que ilumina a cabeceira da cama, depois de mais um gole de café. Diz Pessoa: “sou todas essas coisas, embora o não queira, no fundo confuso de minha sensibilidade letal”. Daí que me apodero do trajeto que faz com que me recorde de diversos encontros de Direito e Literatura em que a voz transborda o texto que segue. Isso porque a performance em que o livro “apresenta” em seus textos está para além da leitura monocórdia; o texto se supera e representa as vozes, os trejeitos, os anseios e pausas que dão o sentido que falta, muitas vezes, para quem não viu, mas pode imaginar. Quem sabe possa ocorrer um Congresso para cada um poder dizer o que o texto sugeriu.
Leio o livro como panegírico justamente por não comportar nem crítica, nem censura. Na teia de significantes que se costura, surgem personagens fundamentais da vida de cada autor, bem assim da minha. O efeito do texto no leitor será da ordem do singular, em que a fusão de horizontes desejantes não se articula de modo totalmente racional. E aí que o texto ganha um sabor, um gingado, uma malemolência, enfim, um momento de amarra que desamarra. O impacto do livro é o de nos deixar só, mas não sozinhos. Com isso lembrei de Guy Debord que isolado, disse: “A propósito de alguém que tem sido, tão essencial e continuamente como eu, um homem das ruas e das cidades – com isso pode-se avaliar até que ponto minhas preferências não virão falsear muito meus julgamentos -, convém ressaltar que o encanto e a harmonia dessas poucas temporadas de grandioso isolamento não me passaram desapercebidos. Era uma agradável e impressionante solidão. Mas, na verdade, eu não estava só: estava com Alice”. Entre Alices, meninas, meninos, admiráveis mundos, surge um acerto de contas com o passado em que muitos dos textos puderam, enfim, ser estabelecidos. Não só na interlocução do Direito com a Literatura; é mais; trata-se de rever as certezas ingênuas de muitos. Com Pessoa novamente, “não se pode comer um bolo sem o perder”. Não se pode acabar de ler o livro sem se perder em paragens que nos fazem repensar o sentido da vida, do contexto, dos deslizamentos e do preço que se paga por amar e mudar as coisas. Parafraseando Pessoa não há saudade mais dolorosa do que a que nunca foi. Mas dói. Lampeja. Cava ranhuras na textura de uma pele nua que insiste em dizer fui. Um amigo caro, Luis Alberto Warat, dizia que a “intimidade é permitir que o outro entre em tua reserva selvagem, que te veja ainda nas coisas que tu mesmo não consegues ver. Amar é mostrar-se vulnerável ao outro com a absoluta confiança de que o outro não tentará aproveitar-se da tua vulnerabilidade para converter-se em teu amo. Essa é a arte do amor, a mais esplendorosa alquimia que pode imaginar-se. O amor é uma arte”. O convite está feito, o livro estabelecido, enquanto o desejo flui entre nós, vez-em-quando sem que possamos controlar seus arroubos, nem os arrependimentos.
O trajeto das interlocuções entre Direito e Literatura na UFSC teve com Luis Olivo Cancelier uma primeira história, ceifada tragicamente em ato que revela a dimensão humana do desafio de se manter vivo e enfrentar a angústia e injustiças da vida jurídica. Além dele, a Rede Brasileira de Direito e Literatura (André Karam Trindade, Lenio Streck, Calvo González, dentre outros) sustenta um saber sobre o enigma da vida (jurídica). Saudade é para quem pode, não quem quer. E o livro faz isso: uma saudade do que se pode fazer. Ainda. Boa leitura.

 
Alexandre Morais da Rosa
Professor de Direito (UFSC-UNIVALI). Juiz de Direito (TJSC). Doutor em Direito (UFPR).

 


Prefácio
Josiane Rose Petry Veronese
Apresentação
Alexandre Morais Rosa
 

- O último dia de um condenado de Victor Hugo: o resgate da fragilidade humana
Geralda Magella de Faria Rossetto
Josiane Rose Petry Veronese


- Mulheres sábias e guerreiras: a Constituição como guardiã dos direitos fundamentais
Olga Maria B. Aguiar de Oliveira
 
- Campos de Carvalho: a leitura do jurista mais ou menos ou do mais ou menos jurista
Alexandre Moraes Rosa
 
- A linha tênue entre anistia, amnésia e o direito ao esquecimento: análise de O gigante enterrado, de Kazuo Ishiguro
Eduardo Rafael Petry Veronese
 
- Infâncias negadas em “Capitães da areia”
Josiane Rose Petry Veronese
Mayra Silveira

- O Menino do mato e a ‘criancês’ de Manoel de Barros: as culturas infantis brasileiras e o direito de expressão da criança
Josiane Rose Petry Veronese
Wanda Helena Mendes Muniz Falcão

- Criança e Consumo: o que “Admirável mundo novo” tem a dizer
Josiane Rose Petry Veronese
Sandra Muriel Zadróski  Zanette

- Infância roubada: a violência do trabalho Infantil em Carvoeirinhos
Josiane Rose Petry Veronese
Vivan De Gann dos Santos
 
- A literatura como mecanismo de inclusão nas obras: Meu irmão não anda, mas pode voar; O Serelepe e o Paradão e “Júlia e seus amigos
Carlos Alberto Crispim
Josiane Rose Petry Veronese

- “A vitória da infância”: o pleno direito de ser criança
Josiane Rose Petry Veronese
Vanessa Kettermann Fernandes

- A literatura infantil em “Antônio” e o árido tema da violência sexual  
Josiane Rose Petry Veronese
Patrícia Rodrigues de Menezes Castagna

- A cegueira que aniquila valores: para onde caminamos?
Angela Maria Konrath
Josiane Rose Petry Veronese

- Ecos de Eco na História das terras e lugares lendários: a fraternidade como locus de inspiração e guia à memória agápica
Geralda Magella de Faria Rossetto
Josiane Rose Petry Veronese


No hay comentarios: